Sandro Henrique Souza  Escritor romancista, contista e dramaturgo.

  

Autor dos livros


Fragmentos de luz (romance);

O portal do jardim sem tempo (romance);

Estigma de um besouro raro (romance);

O sertão, um ser e a solidão (prosa);

Sala fechada (contos);

Telas, cores  e espaços (prosa);

Espelhos  falsos, reflexos de ilusões
(romance);

Quadros, molduras e um atelier
(prosa e verso);

Metamorfoses de um voo azul
(infanto-juvenil);

Cinzeiro (obra em verso);

O último  brinde (peça teatral);

Cama de  páginas (contos).




Biografia de Sandro Henrique Souza:

Escritor romancista, contista e dramaturgo brasileiro. Dono de um estilo filosófico, místico, espiritualista e surrealista. Começou a escrever influenciado principalmente pelos escritos de Franz Kafka e Knut Hamsun. Sua literatura é marcada por profundidade, versatilidade e reflexão. Seus livros de ficção abrangem ainda temas como a metafísica, o existencialismo, a sociologia, o gnosticismo e a fantasia.

 

(Pseudônimo: Arts Hanryck).

 

 

"O pseudônimo adotado para atividades lícitas goza da proteção que se dá ao nome." (Código Civil art. 19).

 

http://sandrohenriquesouzaartistaescritor.blogspot.com/

 

https://www.facebook.com/pages/Sandro-Henrique-Souza/162076523888477

 

https://www.facebook.com/sandrohenrique.souza.1

 

 

http://artshanryck.blogspot.com.br/

 

http://escritorsandrohenriquesouza.blogspot.com.br/

 

http://escritorsandrohenriquesouzaartista.blogspot.com.br/

 

http://sandro-henrique-souza.webnode.com/

 



 


 

 

 "Um grande artista está sempre antes ou depois de sua época."

 

 "Nenhum grande artista vê as coisas como são na realidade; se o fizesse, deixaria de ser artista." (Oscar Wilde).

 

"Toda a obra de arte é uma personalidade. O artista vive nela, depois dela ter vivido longo tempo dentro dele."

 

 "No mundo, a coisa é determinada, na arte ela o deve ser mais ainda: subtraída a todo o acidente, libertada de toda a penumbra, arrebatada ao tempo e entregue ao espaço, ela se torna permanência, ela atinge a eternidade. (...)"

(Rainer Maria Rilke).